PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Praticar mindfulness nos ajudar a lidar com o sentimento de solidão

Marcelo Demarzo

12/03/2020 07h40

iStock

A prática regular de mindfulness (atenção plena) permite o desenvolvimento de recursos internos para lidarmos melhor com os sentimentos de solidão ao longo da vida.

A solidão ("sentir-se sozinho") e o isolamento social ("estar sozinho") estão entre os fatores de risco para a mortalidade precoce mais potentes, comparáveis a outros mais conhecidos e divulgados como fumar ou ser sedentário.

Aparentemente, o sentimento de solidão vem aumentando no mundo atual, e algumas pesquisas nos dizem que aproximadamente 10% das pessoas nos países mais industrializados se sentem solitárias, afetando também os mais jovens, incluindo adolescentes.

Infelizmente, não podemos solucionar a solidão apenas colocando pessoas juntas numa sala, porque, como vimos, a solidão não é definida por estar sozinho, mas por "se sentir sozinho", mesmo quando cercado por outros, estando mais relacionada à qualidade de nossas conexões sociais, e não ao número de relacionamentos.

Sentir-se sozinho aumenta o risco de morte precoce, pois afeta nossa saúde, em especial a nossa saúde mental, por exemplo, piorando a qualidade do sono, e prejudicando nosso sistema imunológico.

É como se nosso sistema biológico entendesse que o sentimento de isolamento se constituísse numa ameaça à nossa saúde, ligando sinais de alerta, que quando não solucionados adequadamente, acabam piorando ainda mais a nossa saúde.

Como mindfulness pode ajudar?

Como sabemos, existem fatores "sociais" (condições de trabalho e culturais, por exemplo) e fatores "individuais" que podem ajudar a combater o sentimento de solidão. A prática de mindfulness está mais ligada, em princípio, ao fortalecimento de "fatores individuais".

Assim, os programas de treinamento de atenção plena ajudam de maneira mais efetiva no desenvolvimento de habilidades pessoais (recursos internos) para uma melhor perspectiva subjetiva frente ao sentimento de solidão, o que acaba melhorando também os processos interpessoais de relacionamento social.

Ao promover uma perspectiva mais saudável frente aos sentimentos de solidão e desconexão social, que podem ocorrer naturalmente em diferentes momentos ao longo da vida (fazem parte da experiência humana), o treinamento de atenção plena permite que a sensação de solidão se dissipe sem afetar nossa saúde física e mental, e cria condições psicológicas mais adequadas para um maior envolvimento com os outros na vida cotidiana.

Um estudo recente nos mostrou isso concretamente, usando um treinamento online de mindfulness de 2 semanas, trazendo resultados promissores mesmo que com um programa mais breve.

Vamos praticar?

Mande sua pergunta: Se você tem alguma dúvida ou curiosidade sobre mindfulness, atenção plena, ou neurociência do comportamento, por favor me escreva que terei prazer em abordar seu tema em textos futuros: demarzo@unifesp.br

Referência:

Demarzo & Garcia-Campayo. Manual Prático de Mindfulness: curiosidade e aceitação. Editora Palas Athena, 2015.

Para Saber Mais:

www.mindfulnessbrasil.com (Mente Aberta – Centro Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde – UNIFESP)

www.webmindfulness.com (WebMindfulness – Grupo de Pesquisa Coordenado pelo Prof. Javier García-Campayo – Universidad de Zaragoza, informações em espanhol)

www.umassmed.edu/cfm (Centro de Meditação "Mindfulness" na Medicina, Universidade de Massachusetts, Estados Unidos, informações em inglês)

Sobre o autor

Marcelo Demarzo é médico especialista em mindfulness (atenção plena), professor e pesquisador na área de medicina, saúde e bem-estar. Ministra cursos e palestras sobre estilo de vida mindful, bem-estar e saúde --expertise desenvolvida em 15 anos como professor e pesquisador em vários hospitais e universidades brasileiras (UNIFESP, USP, Hospital Israelita Albert Einstein) e internacionais (Universidade de Oxford, Universidade de Zaragoza, Harvard University). É autor de livros e estudos científicos relacionados ao tema de mindfulness e qualidade de vida e realiza dezenas de atendimentos individuais e em grupo para disseminar o conceito de mindful living (viver pleno e consciente). É coordenador da Especialização em Mindfulness da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo).

Sobre o blog

Dicas e reportagens sobre saúde e qualidade de vida, com foco em mindfulness e bem-estar. Um espaço interativo para conversarmos sobre como desenvolver um estilo de vida mais mindful (pleno e consciente), que irá ajudá-lo a lidar melhor com o estresse, algo tão comum na nossa vida atual.