PUBLICIDADE

Topo

3 práticas lúdicas de mindfulness para a criança ficar serena e paciente

Marcelo Demarzo

28/03/2018 09h32

Crédito: iStock

A atenção plena deveria ser considerada como uma das bases para o desenvolvimento humano, sendo pré-requisito para os processos educativos na infância e adolescência.

O treinamento de mindfulness para crianças pode ajudar a reduzir o estresse, aumentar o bem-estar, promover a aprendizagem adequada, melhorar as relações interpessoais com outras crianças e com os próprios pais, e enriquecer a maneira de se estar no mundo.

Ao mesmo tempo, os pais e adultos devem ter uma atitude paciente ao estimularem mindfulness nas crianças, já que é um processo comparável a se plantar e cultivar uma semente até que germine e dê flores a seu tempo. Ou seja, os resultados não são imediatos e fazem parte de um processo de dedicação e trabalho diários. Podemos dizer que o caminho é mais importante do que a expectativa de se chegar a algum lugar ou obter resultados. Por outro lado, alguns benefícios poderão ser contemplados desde o início, nos três níveis: físico, emocional e cognitivo:

  • Físico: as crianças adquirem maior consciência de seu próprio corpo, distinguindo suas diferentes partes, além de tonificar a coluna vertebral. As crianças ganham uma postura mais adequada, mais flexibilidade e melhora muscular.
  • Emocional: as técnicas ajudam a gerir emoções à medida que as manejam menos reativamente. O silêncio e a paz de espírito proporcionam uma maior serenidade emocional, além de estimular o companheirismo, a amizade e a compaixão por si mesmo e pelos outros.
  • Cognitiva: a atenção plena ajuda a se concentrar melhor, estimula a criatividade, aumenta o equilíbrio entre os hemisférios cerebrais, criando assim uma aprendizagem mais consolidada ao longo do tempo.

Como ensinar mindfulness às crianças e obter esses benefícios?

Assim como treinamos os músculos, também podemos treinar a capacidade de atenção plena em crianças. Podem ser usadas tanto "práticas formais" quanto "práticas informais" de mindfulness. As primeiras envolvem técnicas para se treinar a atenção intencionalmente em um ponto de ancoragem (treinamento atencional), enquanto as práticas informais envolvem trazer o estado mental de atenção plena para a vida diária –por exemplo, comer, conversar com alguém, ou se vestir com atenção plena.

Apresento, a seguir, algumas práticas formais que podem ser realizadas de maneira simples e segura com crianças, em especial de 6 a 12 anos.

As práticas devem ser feitas regularmente, idealmente todos os dias, e devem ser de curta duração, de 5 a 10 minutos cada exercício. Sempre respeitando os limites e possibilidades de cada criança.

1) O som da respiração

Nessa prática a ideia é observar os sons da respiração. As crianças podem imaginar que estão no mar e que a respiração são as ondas, que se aproximam e se afastam da costa. O convite é para elas "possam ouvir seu próprio mar" enquanto respiram. O ideal é que se pratique num lugar mais silencioso, e que não se modifique o ritmo natural da respiração (deixar a respiração livre).

2) Meu antebraço e minha respiração

Nessa prática os braços estão cruzados sobre o abdômen, e se coloca o dedo indicador de uma mão na superfície do antebraço oposto. Então se inicia com algumas respirações mais profundas (2 ou 3), deixando depois que a respiração se estabilize no ritmo natural, e se pede para a criança observar, progressivamente, o dedo indicador subindo na superfície do antebraço ao se inalar ("puxar o ar"), e descendo sutilmente através dele, ao se exalar ("soltar o ar"). Depois de várias inspirações e expirações, elas podem repetir o mesmo processo no outro antebraço. As distâncias percorridas pelos dedos irão variar dependendo da duração da inspiração e expiração de cada criança, sendo importante que elas não tentem alterar sua respiração, apenas sentindo o dedo escorregar pelo antebraço, sem forçar.

3) Escaneamento corporal

As crianças são colocadas sentadas ou deitadas, sempre de maneira confortável e estável, e são instruídas a chamarem a atenção para as diferentes partes do corpo, de maneira ordenada, focando nas diferentes sensações corporais que são geradas (sensação de presença, formigamento, peso, temperatura). O percurso pode ser feito "de cima para baixo", isto é, da cabeça aos pés ou "de baixo para cima", dos pés à cabeça.

As crianças mais novas podem imaginar que o corpo delas é uma estrada, e a atenção, um carrinho de brinquedo que sobe ou desce pelo corpo, estacionando por alguns instantes em partes diversas. Uma alternativa é imaginar que o corpo é um quarto com a luz apagada, e a atenção é uma lanterna que vai iluminando as sensações nas várias partes do corpo.

Boas práticas com suas crianças!

Referências:

Javier García-Campayo, Marcelo Demarzo & Marta Modrego Alarcón. Bienestar emocional y mindfulness en la educación. Madrid: Alianza Editorial, 2017.

Para saber mais sobre mindfulness:

www.mindfulnessbrasil.com (Mente Aberta – Centro Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde – UNIFESP)

www.webmindfulness.com (WebMindfulness – Grupo de Pesquisa Coordenado pelo Prof. Javier García-Campayo – Universidad de Zaragoza, informações em espanhol)

www.umassmed.edu/cfm (Centro de Meditação "Mindfulness" na Medicina, Universidade de Massachusetts, Estados Unidos, informações em inglês)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Marcelo Demarzo é médico especialista em mindfulness (atenção plena), professor e pesquisador na área de medicina, saúde e bem-estar. Ministra cursos e palestras sobre estilo de vida mindful, bem-estar e saúde --expertise desenvolvida em 15 anos como professor e pesquisador em vários hospitais e universidades brasileiras (UNIFESP, USP, Hospital Israelita Albert Einstein) e internacionais (Universidade de Oxford, Universidade de Zaragoza, Harvard University). É autor de livros e estudos científicos relacionados ao tema de mindfulness e qualidade de vida e realiza dezenas de atendimentos individuais e em grupo para disseminar o conceito de mindful living (viver pleno e consciente). É coordenador da Especialização em Mindfulness da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo).

Sobre o blog

Dicas e reportagens sobre saúde e qualidade de vida, com foco em mindfulness e bem-estar. Um espaço interativo para conversarmos sobre como desenvolver um estilo de vida mais mindful (pleno e consciente), que irá ajudá-lo a lidar melhor com o estresse, algo tão comum na nossa vida atual.