PUBLICIDADE

Topo

Mindfulness Para o Dia a Dia

Mindfulness melhora a qualidade de vida de pessoas com câncer

Marcelo Demarzo

11/04/2018 04h10

Crédito: iStock

O que chamamos de maneira genérica de "câncer" é uma gama enorme de diferentes doenças e condições, que cursam com o desenvolvimento anormal de células do nosso próprio corpo. Muitas formas de câncer já têm tratamento efetivo, mas outras infelizmente ainda não.

O que é comum aos vários tipos de câncer, independentemente de serem mais simples ou graves, é a preocupação e o estresse que geram em todos os envolvidos –para além da própria pessoa, afetando toda a família e amigos. Além disso, algumas vezes o tratamento é longo e complexo e pode afetar a qualidade de vida e a saúde mental, levando à ansiedade e depressão.

Como mindfulness ajuda pessoas com câncer?

Muitos estudos científicos têm deixado cada vez mais claros os efeitos positivos da prática da atenção plena em pessoas sendo tratadas para o câncer. Os benefícios são de vários níveis, como melhora no estado de humor (menos risco de depressão), na qualidade do sono (a insônia é muito comum em pacientes com câncer) e efeitos na redução do estresse em geral.

Na soma, todos esses benefícios melhoram a qualidade de vida e podem ter efeito positivo também no sistema imune desses pacientes, pois sabidamente estados de ansiedade e depressão podem afetar a resposta imunológica. Assim, os efeitos podem ser ainda mais amplos.

Com base nesses estudos, muitos centros de oncologia em hospitais no Brasil e no mundo têm oferecido treinamento em mindfulness para seus pacientes, inclusive durante os períodos de internação. Como exemplos, temos o Hospital Albert Einstein em São Paulo, o Hospital Clínico de Madrid (Espanha), e o Hospital da Universidade de Calgary no Canadá, um dos centros de referência no mundo sobre mindfulness aplicado ao câncer.

Além dos efeitos que já apontei, alguns estudos, ainda iniciais, têm mostrado que a prática regular de mindfulness pode reequilibrar mecanismos de neuro-inflamação, que estão associados a tratamentos mais eficazes e, inclusive, à prevenção do câncer.

Como uma pessoa com câncer pode praticar mindfulness?

É fundamental nesse caso ter o apoio e consentimento do médico de referência e sua equipe e de um instrutor qualificado de mindfulness, que indicarão o melhor momento e as melhores técnicas para cada caso. Em geral, os programas de mindfulness de oito semanas são os mais indicados, como por exemplo o MBSR (saiba mais, clicando aqui), que podem ser adaptados às condições de cada pessoa.

A sugestão é os exercícios de atenção plena sejam feitos com regularidade, de preferência todos os dias da semana, mesmo que por períodos curtos no início, de 5 a 10 minutos por dia. Abaixo, segue um exercício de 3 minutos que recomendo para iniciantes:

Prática de 3 minutos de mindfulness

A seguir apresento uma das técnicas mais simples de mindfulness, que utiliza como âncora de atenção a própria experiência corporal, incluindo a respiração. É segura por ser simples e de curta duração.

Também chamada de "prática dos 3 passos", cada um deles dura em torno de 1 minuto, tendo aproximadamente 3 minutos no total (podendo ser um pouco mais ou um pouco menos):

  1. Adotando uma posição confortável, sentado ou deitado, deixar o corpo se estabilizar na posição. Lentamente vá levando a atenção para o seu corpo, que pode incluir as sensações físicas (contato com o chão ou cadeira; temperatura da pele, possíveis desconfortos ou pontos de tensão), como também a percepção de pensamentos ou emoções que eventualmente estejam presentes em sua experiência naquele momento;
  2. Gradualmente comece a levar a atenção de modo um pouco mais focado para as sensações e movimentos da respiração –movimentos do tórax e do abdome na inspiração e expiração do ar; ou ainda a sensação do ar entrando e saindo pelas narinas. É importante seguir o fluxo natural, sem tentar alterá-lo, apenas observando-o. Faça isso por um tempo;
  3. Antes de encerrar a sessão, traga novamente a atenção e a observação para as sensações em todo o corpo naquele momento, podendo incluir também a percepção do local onde você está, como os sons e a temperatura do ambiente. Gradualmente termine a prática, voltando a abrir os olhos.

Referências:

Garcia-Campayo & Demarzo. ¿Que sabemos de Mindfulness? 100 preguntas-clave. Kairós Editorial, 2018 (in press).

Para Saber Mais sobre Mindfulness

www.mindfulnessbrasil.com (Mente Aberta – Centro Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde – UNIFESP)

www.webmindfulness.com (WebMindfulness – Grupo de Pesquisa Coordenado pelo Prof. Javier García-Campayo – Universidad de Zaragoza, informações em espanhol)

www.umassmed.edu/cfm (Centro de "Mindfulness" da Universidade de Massachusetts, Estados Unidos, informações em inglês)

 

Sobre o autor

Marcelo Demarzo é médico especialista em mindfulness (atenção plena), professor e pesquisador na área de medicina, saúde e bem-estar. Ministra cursos e palestras sobre estilo de vida mindful, bem-estar e saúde --expertise desenvolvida em 15 anos como professor e pesquisador em vários hospitais e universidades brasileiras (UNIFESP, USP, Hospital Israelita Albert Einstein) e internacionais (Universidade de Oxford, Universidade de Zaragoza, Harvard University). É autor de livros e estudos científicos relacionados ao tema de mindfulness e qualidade de vida e realiza dezenas de atendimentos individuais e em grupo para disseminar o conceito de mindful living (viver pleno e consciente). É coordenador da Especialização em Mindfulness da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo).

Sobre o blog

Dicas e reportagens sobre saúde e qualidade de vida, com foco em mindfulness e bem-estar. Um espaço interativo para conversarmos sobre como desenvolver um estilo de vida mais mindful (pleno e consciente), que irá ajudá-lo a lidar melhor com o estresse, algo tão comum na nossa vida atual.